Do Cabrito assado aos pasteis de Águeda

















Foi no almoço convivio da malta das Farpas!
Aproveito o texto descritivo do amigo Tovi, já publicado em www.asfarpas.eu/forum
Ora bem… O repasto constou de:
Para entrada umas deliciosas fatias de salpicão, mais uns bolinhos de bacalhau, croquetes, enfim, o habitual nestas coisas. E isto foi acompanhado por um branco do Douro, um Evel, à falta de um Grandjó que era a minha escolha inicial. Depois seguiu-se o tal Cabritinho de Leite Assado com umas batatinhas alouradas, um arroz de forno e uns divinais grelos salteados (se tivessem um pouquinho mais de alho não se perdia nada…). Para este prato o vinho foi um Esteva Douro Tinto Colheita de 2003. Para sobremesa lá tivemos que comer uma coisa feita com farinha, ovos e mais não sei o quê, que o «JER» diz ser uma maravilha e que é uso lá na terra dele. Dizem que se chama “pão-de-ló de Ovar”. Nunca tinha ouvido falar, nem nunca tinha provado. Não é mau e até disse que já tinha comido broa muito pior. A mim soube-me bem, mas penso que foi fruto de o ter acompanhado por um Vinho do Porto.
Há ainda mais uns pequenos pormenores, mas depois conto…


Estava tudo excelente, dos bons vinhos aos pastéis de Águeda que fiz questão de levar.
Mas como nada é perfeito, posso sempre criticar o amolecimento excessivo das batatas assadas (que estavam muito saborosas), o excesso de óleo das batatas fritas que pedi como ornamentação extra e que todos apreciaram e o cozimento excessivo do Pão de Ló do Jer e dos Pasteis de Águeda da Pastelaria de Recardães.
A Dobrada que está na fotografia acima, foi com certeza o melhor petisco que me foi servido. Foi um privilégio que foi concedido e o qual agradeço. Obrigado Tovi.

Comeu-se no Restaurante Nova Era, no Porto

1 comentário:

Tovi disse...

Hoje vim pela primeira vez ao "Que É Que Se Come Por Aqui"... E gostei do que li.
Parabéns «rjmoreira» e obrigado... O meu ego agradece.